preço-tiapia

Vírus Tilapia TiLV Ameaça Estoques

Pesquisadores Descobrem Novo Virus Tilv Que Ameaça Os Estoques Globais De Criação de Peixes Tilapia

Uma equipe internacional de pesquisadores identificou um novo vírus que ataca tilipia selvagem e de criação, uma importante fonte de proteína barata para o abastecimento de alimentos do mundo. No trabalho publicado esta semana na mBio , uma revista de acesso aberto on-line da Sociedade Americana de Microbiologia, a equipe mostra claramente que o vírus Tilapia Lake (TiLV) foi o culpado por trás da massa mortandade de tilapia ocorrida no Equador e Israel na recente anos. O trabalho também fornece uma base para o desenvolvimento de uma vacina para proteger os peixes de TiLV.

A tilápia é uma das indústrias de peixes mais importantes do mundo

Diz Eran Bacharach, virologista molecular da Universidade de Tel Aviv, em Israel e um dos principais pesquisadores sobre o estudo. “Além disso, porque eles comem algas, eles são porteiros ecológicos para água doce e são uma fonte barata, importante de proteína nos países mais pobres.”

A indústria de tilápia está avaliada em US $ 7,5 bilhões a cada ano. Vários países da Ásia e América do Sul são os maiores produtores de tilápia e os Estados Unidos são o maior importador, consumindo 225.000 toneladas de estes peixes a cada ano.

novo-virus-tilv-tiapia

Em 2009, ambas as espécies de tilápia selvagens em Kinneret Lake, também conhecido como o Mar da Galiléia, e os peixes em viveiros comerciais em Israel começou a sofrer de uma doença desconhecida, com altas taxas de mortalidade de até 70%. Um par de anos mais tarde, os peixes em viveiros comerciais no Equador também sofreu uma massa die-off. À primeira vista, as duas doenças pareciam alheios porque o peixe em Israel mostrou cérebro e sistema nervoso sintomas, enquanto o peixe no Equador sofria de sintomas de fígado. No final de 2012, os investigadores que trabalham em ambos os surtos enviou amostras de peixes doentes para o laboratório de W. Ian Lipkin, um especialista em caçar novos vírus.

Este foi um projeto de descoberta viral atípico

Diz Lipkin, professor, John Snow, de epidemiologia e diretor do Centro de Infecção e Imunidade da Universidade de Columbia, em Nova York. abordagem usual de sua equipe para rastrear qual o vírus está causando uma doença em particular é para prosseguir uma análise da sequência genética do sangue, fezes ou tecidos de um animal doente, remova todas as seqüências genéticas conhecidas encontradas em animais normais, e depois comparar o que é deixado para sequências conhecidas nas bases de dados. “Mas, neste caso, que o meu colega, Nischay Mishra encontrou não se parecia com quaisquer sequências inseridas anteriormente”, diz Lipkin.

Neste caso, a equipe encontrou 10 sequências de genes de ARN curta. “Quanto mais estudamos eles, o mais convencido de que tornou-se que o que tinha representado um vírus completamente novo”, diz Lipkin.

Enquanto nove dos segmentos de genes partilhada não há semelhanças com quaisquer outras proteínas virais conhecidas, um segmento fracamente parecia semelhante a uma proteína da gripe C vírus. Os 10 segmentos também teve de partida semelhante e sequências que terminam, uma característica do vírus segmentados. E a equipe mostrou que o vírus replica-se no núcleo de células de peixes. Estas características levaram a equipe a classificar TiLV como um vírus orthomyxo-like, relacionado com a mesma família de “vírus como a gripe”.

A equipe também mostrou que o vírus expressa 10 proteínas que correspondem aos segmentos do gene 10. Eles também sequenciou o vírus de tilápia do Equador e Israel e mostrou que era o mesmo vírus que causa as mortes em dois locais no meio do caminho ao redor do globo.

Porque os vírus dos dois sites compartilhada sequências de genes quase idênticos, Bacharach acredita que eles vieram da mesma fonte. Mas como o vírus viajou entre Israel e Equador, e em que direção, ainda é um mistério.

“Nossa pesquisa fornece os primeiros meios de detecção em conhecer a sequência genética do vírus é o primeiro passo para a concepção de diagnóstico e rastreio ensaios”, diz Bacharach. Tais ensaios irá permitir que os piscicultores para detectar quando o vírus está presente numa lagoa comercial e limitar o seu âmbito.

A descoberta traz outras aplicações práticas com ele, também, diz Lipkin: “Construir uma vacina iria economizar bilhões de dólares e preservar uma indústria que garante o emprego no mundo e a segurança alimentar em desenvolvimento.”

O total mBio estudo pode ser encontrada aqui: .  Para saber mais, visite o pós mbiosphere blogue .

Referências: ams

Eran Bacharach et ai. 05 de abril de 2016. Caracterização de um vírus Novel Orthomyxo-like Causando massa mortandade de tilápia. MBio . doi: 10,1128 / mBio.00431-16.

A Sociedade Americana de Microbiologia é a maior sociedade de ciências da vida do single, composto por mais de 47.000 cientistas e profissionais de saúde. A missão da ASM é promover e avançar as ciências microbianas.

ASM avança ciências microbianas através de conferências, publicações, certificações e oportunidades educacionais. Ele melhora a capacidade dos laboratórios em todo o mundo através da formação e recursos. Ele fornece uma rede de cientistas na academia, indústria e ambientes clínicos. Além disso, ASM promove uma compreensão mais profunda das ciências microbianas para diversos públicos.

parceiro criador de peixes

Piscicultura Tanques no Brasil

Piscicultura em Tanques no Brasil Definição

Piscicultura em tanques e aquicultura é a produção de organismos aquáticos, como peixes, moluscos, crustáceos, anfíbios, répteis e plantas aquáticas para consumo alimentar.

Quando começou a piscicultura no mundo

Esta atividade piscicultura é praticada há muito tempo, existindo registros de que os chineses já a conheciam vários séculos antes de nossa era e de que os egípcios já criavam a tilápia-do-nilo (Oreochromis niloticus) há 4000 anos.

Atualmente, a piscicultura é responsável pela produção da metade do peixe consumido pela população mundial. De acordo com estudos, a produção de peixes através de aquicultura triplicou entre 1995 e 2007

Oque é Aquicultura

É o conjunto de criação de todos organismos aquaticos veja abaixo as categorias.
Piscicultura: criação de peixes, em água doce, água salobra ou água marinha;
Carcinicultura: criação de camarões e lagostas;
Maricultura: piscicultura em água salgada;
Malacocultura: criação de moluscos (caramujos, chocos, lulas e polvos);
Mitilicultura: criação de mexilhão;
Ostreicultura: criação de ostras;
Pectinicultura : criação de vieiras;
Algicultura: cultivo de algas;
Ranicultura: criação de rãs;

piscicultura em tanques

Piscicultura da dinheiro vantagens e benefícios

De acordo com a (Food and Agricultural Organization), órgão das Nações Unidas responsável pelo estudo dos problemas de alimentação no mundo, um hectare cultivado com peixes produz mais do que com qualquer outro animal. Enquanto os mamíferos dependem das características do ar para a sua respiração e manutenção da temperatura corporal, o peixe flutua, se locomove e regula sua temperatura interna com muito mais facilidade em virtude da densidade do seu corpo ser praticamente igual à da água. Dessa forma, os peixes despendem muito pouca energia para a flutuação, locomoção e manutenção de sua temperatura interna, o que lhes garante uma maior conversão da energia contida nos alimentos que consomem em carne, alcançando uma altíssima produtividade. Por isso, a piscicultura assume importância cada vez maior no com grande crecimento no abastecimento alimentar mundial.

A piscicultura também oferece vantagens sociais às populações de inúmeros países onde o pescado de agua doce não pode chegar em boas condições sanitárias e a preços razoáveis.

Surge de uma forma ainda bastante pioneira um pouco por todo o mundo, a piscicultura em Usinas hidreletricas aberto ou offshore. Para os peixes o cultivo é realizado através de tanques rede, que podem ser de superfície ou submersíveis, dependendo do hidrodinamismo do local. Relativamente aos moluscos bivalves o cultivo é feito através de long-lines. Em Portugal Continental, foi delimitada em 2009 a primeira Área de Produção Aquícola (APA), denominada de Área Piloto de Produção Aquícola da Armona (APPAA), situada em Olhão, no Algarve, ao largo da ilha da Armona. Portugal devido ao seu contexto geográfico, histórico e económico revela grandes potencialidades para a expansão da piscicultura em mar aberto.

Piscicultura no Brasil

A piscicultura no Brasil, a maior parte das atividades aquícolas é praticada em propriedades rurais comuns.Na grande maioria, essas fazendas são dotadas de açudes ou represas. A atividade agropecuária normal de uma fazenda produz uma série e quantidades variáveis de subprodutos que de maneira geral não são aproveitados, principalmente quanto à sua possível transformação em proteínas para consumo humano: capins, frutos passados, palhas diversas, varreduas de depósitos de rações, camas de estábulos e galinheiros, águas servidas de estábulos, pocilgas, pequenos matadouros, resíduos de biodigestores, etc, que os peixes em cativeiro aproveitam integralmente. Além disso, pode acrescentar-se água servida em laticínios e o bagaço ou torta de filtragem da cana-de-açúcar, entre outros subprodutos de usinas de açúcar e álcool.

Utilizando pouca mão-de-obra, a piscicultura nos açudes e represas não conflita com as demais atividades desenvolvidas numa fazenda. Pelo contrário, é um complemento muito proveitoso, dado que tem a característica básica de reciclar subprodutos e resíduos, transformando-os em proteína animal.

Qual peixe não se reproduz nos tanques
No Brasil, as espécies indígenas de valor comercial, o pacu (Colossoma mitrei), o dourado (Salminus maxillosus), o tambaqui (Colossoma macropomum), o pintado (Pseudoplatystoma corruscans), entre outros, não se reproduzem em tanques. São as chamadas espécies de piracema, que dependem da injeção de hormônios naturais e sintéticos para a reprodução. Essa técnica tem se popularizado rapidamente.

O desenvolvimento da piscicultura no brasil teve por base as espécies exóticas que se reproduzem em tanques e permitem o cultivo controlado. É o caso da tilápia comum, tilápia do nilo, entre outros. A migração da base de produção para as espécies de piracema é relativamente recente, sendo posterior à Década de 1970. Bem como o tambaqui, espécie amplamente cultivada no estado de Roraima.

Qual peixes devo iniciar na minha piscicultura
As tilápias e as tambaqui são as espécies mais adequadas para criação em represas e açudes das propriedades rurais, devido à sua rusticidade. As espécies carnívoras, como o trairão e o tucunaré devem ser utilizadas apenas como auxiliares no controle do excesso de reprodução das tilápias, não se recomendando sua criação isolada. A inserção de espécies carnívoras é benéfica para melhorar a qualidade do peixe obtido, que cresce mais em menos tempo. No entanto, a inserção deve ser feita com muito cuidado, pois pode causar sérios problemas ecológicos caso haja fugas das espécies carnívoras para os rios locais.

Como fazer alimento natural para meus peixes
A adubação das águas é um dos aspectos mais importantes da criação de peixes em cativeiro, representando o enriquecimento das águas. Pode ser feito de várias maneiras. Se for possível, as águas usadas para lavar estábulos e pocilgas devem ser levadas para os açudes, desde que não causem poluição do meio aquático por excesso de volume. Sua presença em pequenas quantidades propiciará o incremento da produção natural de plâncton. Além de fertilizarem a água, os estercos são também diretamente ingeridos pelos peixes. De uma maneira geral, pode usar-se o esterco de curral na proporção de duas toneladas por hectare, duas vezes ao ano.

Os adubos químicos também podem ser utilizados, embora não apresentem resultados tão bons quanto os orgânicos, preferencialmente associados ao esterco para a obtenção de melhores resultados.

Qual peixe posso criar em regiões fria
Na região de Campos do Jordão, há grande produção de trutas. A truta brasileira ganha mais peso que as correspondentes americanas e japonesas, além de sabor característico.

Portanto, as propriedades agrícolas providas de açudes apresentam um potencial bastante grande para a produção perene de peixe de alta qualidade e a custos baixos.

Piscicultura em Portugal e a sua evolução

Em Portugal a piscicultura é uma atividade primária e relativamente recente. O peso da piscicultura nacional no fornecimento de pescado ao mercado português é ainda muito baixo. Em 2011 a produção nacional atingiu as 9166 toneladas. Cerca de 8051 toneladas foram produzidas em águas marinhas ou salobras. Deste total foram produzidas 4056 toneladas de peixe e 3545 toneladas de moluscos. As águas interiores completam a restante produção com 1115 toneladas produzidas.

Em termos históricos, antes da entrada na CEE/UE o sector caracterizava-se pela produção de truta, em regime intensivo nas águas interiores, dourada, robalo e bivalves, em regime extensivo nas zonas estuarinas. Na década de 60 surgiu a primeira piscicultura industrial nas margens do rio Coura. Após entrada na CEE/UE em 1986 dá-se início à instalação de novas unidades aquícolas, de pequena dimensão, em regime semi-intensivo de dourada e robalo, levando ao aumento da produção até às 7000 toneladas. No entanto, a produção fica estagnada, devido às dificuldades de Licenciamento, falta de apoios tecnológicos, falta de “know-how” dos empresários aquícolas, deficientes estratégias comerciais, falhas estruturais dos métodos de produção e falta de critérios na aplicação dos Fundos Comunitários, culminando na inviabilidade económica de muitas das novas unidades. A elevada concorrência com outros países produtores, implicou uma redução da produção nacional de dourada e robalo no período 2007 – 2011. Nesse mesmo período surgiu a produção de peixes planos, iniciando-se igualmente a promoção da piscicultura Offshore.

Onde encontra piscicutura em portugal
Em 2011 o número de estabelecimentos licenciados foi de 1570 (cerca de 91% correspondendo ao sistema de produção extensivo de bivalves). No entanto, o número de estabelecimentos ativos foi ligeiramente inferior (1475). A maioria dos estabelecimentos encontra-se localizada na faixa litoral, desde a Póvoa de Varzim até Castro Marim, pois são as espécies marinhas que mais contribuem para a produção nacional (cerca de 88%). As pisciculturas de água doce localizam-se nos cursos de água e albufeiras da região Centro/Norte e Norte do País.

Qual peixe é criado em portugal
De acordo com a última publicação do Instituto Nacional de Estatística, o pregado contribuiu com cerca de 35% da produção total aquícola em 2011 (3197 toneladas). Seguiu-se a amêijoa-fina com 26% (2339 toneladas), a truta arco íris com 12%, ostra e dourada com 9% e o robalo com 5%. O linguado, a corvina (Argyrosomus regius), o mexilhão e a camarinha (Palaemonetes varians) são outras espécies produzidas em Portugal, embora em menores quantidades. É esperado um aumento significativo na produção de mexilhão e linguado durante os próximos anos.

Sistemas de criação de peixes em Portugal
Portugal assume-se como um país onde pontifica a diversidade. Assim, praticamente todos os sistemas de produção existentes estão representados em Portugal: intensivo em tanques rede extensivo de bivalves inshore e offshore; extensivo, semi-intensivo e intensivo de peixes inshore. O sistema de produção extensivo é o que conta com o maior número de estabelecimentos em Portugal, uma vez que existem muitos micro produtores de bivalves na Ria Formosa e Ria de Aveiro. A produção semi-intensiva é quase exclusiva para a produção de dourada e robalo, enquanto que a produção intensiva aplica-se, principalmente, na produção de peixes achatados (linguado e pregado) e de truta arco íris (águas interiores).

Águas interiores
A piscicultura em águas interiores é feita exclusivamente no sistema intensivo, quer em tanques redes quer em estruturas flutuantes. Os ovos ou juvenis são adquiridos em piscicultura de alevinagen e os peixes criados até atingirem um tamanho comercial. Na produção em tanques, existem duas técnicas: o escoamento contínuo (os tanques são alimentados pela água do rio a montante e restituem-lha a jusante) e a recirculação (a água mantém-se em circuito fechado e é reciclada a fim de poder «recircular» nos tanques). Os sistemas em recirculação são mais onerosos (energia), mas permitem um melhor controlo das condições de criação (temperatura, oxigénio) e da qualidade da água. Em Portugal ainda não está implementado qualquer sistema de recirculação em água doce. As principais zonas de produção e com maior potencial são na albufeira de barragens e troços de rio com água frias em quantidade e qualidade. A área geográfica de localização compreende o Centro/Norte e Norte do País. Atualmente, a principal espécie produzida é a truta arco íris, existindo um potencial para o achigã e enguia.

piscicultura em estuário
A produção em esteiros resulta do aproveitamento de antigas salinas. É o sistema de produção tradicional mais praticado em Portugal para a produção de dourada e robalo. Numa produção extensiva, os animais são introduzidos naturalmente pelos fluxos das marés, mantidos em lagoas preparadas para o efeito (antigas salinas) usando apenas alimento natural e densidades reduzidas. A introdução de alevinos da maternidade, de suplementos alimentares (ração) e maiores densidades tornam este sistema em semi-intensivo. Esta forma de piscicultura desempenha um papel importante na conservação do património natural costeiro. As principais zonas de produção são a Ria de Aveiro, Estuário do Mondego, Sado, Ria de Alvor, Ria Formosa e Foz do Guadiana.

Piscicultura marinha intensiva em tanques rede
Em Portugal este sistema de produção é apenas usado na produção de peixes achatados, tais como o pregado e, mais recentemente, o linguado. Ao contrário dos sistemas extensivo e semi-intensivo, na produção em regime intensivo apenas se utiliza ração para a alimentação dos peixes. As densidades são também bastante mais elevadas do que nos sistemas anteriores. As melhores áreas de produção estão localizados junto à água salgada (seja ela o mar ou lençol subterrâneo), que permita captar água a temperaturas estáveis, de qualidade e com custos competitivos.

Dentro deste grupo, em Portugal, existem dois sistemas de produção: o sistema de recirculação (ou sistema fechado) e o sistema aberto. O sistema de recirculação, como o próprio nome indica, implica a reutilização da água usada no circuito de produção existindo um tratamento antes de voltar a entrar nos tanques. A renovação da água é muito baixa, razão pela qual este sistema requer poucas quantidades de água quando a funcionar em regime cruzeiro. No sistema aberto a água não é reutilizada no circuito havendo uma constante renovação. As unidades produtivas que utilizam este sistema de produção, utilizam elevadas quantidades de água. As unidades aquícolas que utilizam este tipo de sistema localizam-se na Praia da Tocha, Praia de Mira, Torreira e Póvoa de Varzim.

Piscicultura offshore
Este tipo de produção tem um enorme potencial em Portugal, particularmente para produção de bivalves, pois a costa Portuguesa tem águas com condições ideais ao desenvolvimento dessas espécies (ostra, mexilhão e outras). A criação dos moluscos baseia-se na recolha de pós-larvas selvagens ou provenientes de piscicultura de alevinagen, que se alimentam de nutrientes naturais presentes no ambiente (animais filtradores). A costa do Algarve pode ser considerada uma zona de produção com boas condições.

Em relação à produção de peixe em offshore, estes são mantidos em jaulas ancoradas no fundo e mantidas à superfície por uma estrutura flutuante, geralmente em plástico. Esta forma de criação pratica-se sobretudo nas zonas abrigadas próximas da costa, mas o recurso a técnicas mais sofisticadas (tanques rede, televigilância, alimentação automática, etc.) deverão permitir um afastamento relativamente à costa. Em Portugal é necessário delimitar estas zonas de produção abrigadas, com boa circulação de água, longe de potenciais fontes de poluição e com a profundidade adequada. Haverá ainda um importante trabalho a desenvolver no sentido de encontrar estruturas capazes de se adaptarem à condições adversas do mar da costa atlântica e que garantam ao mesmo tempo condições de operacionalidade, assegurando custos de produção competitivos.

piscicultura de bivalves inshore
A produção de bivalves em zonas intertidais (zonas sujeitas ao efeito das marés) é um dos métodos de produção mais tradicionais usado em Portugal. As principais zonas de produção são a Ria de Aveiro, Ria de Alvor e Ria Formosa, sendo a amêijoa-fina e a ostra as principais espécies produzidas. Segundo dados oficiais do INE, em 2011, este tipo de produção contribuiu com cerca de 40% da produção total em Portugal. Este é um tipo de produção exclusivamente extensivo e gerador de inúmeros postos de trabalho devido á elevada mão de obra necessária.

Piscicultura definição
A piscicultura tem sido em anos recentes um dos segmentos de crescimento mais rápido da produção alimentar global. Tem sido saudada como uma resposta para os problemas resultantes da diminuição das populações selvagens de pescado, devido à sobrepesca e a outras causas.

Não obstante, em 2003 houve bastante debate acerca dos méritos da piscicultura. Em países como Reino Unido, Canadá e Noruega, o cultivo de salmão e de truta são as formas de piscicultura de mais rápido crescimento, mas a medida que este tipo de exploração se expande tem vindo a afetar a qualidade dos peixes selvagens, particularmente do salmão.

Na piscicultura intensiva ou industrial usam-se rações e outros produtos para maximizar a produção, entretanto os efluentes podem prejudicar o ecossistema se lançados no meio ambiente sem o devido tratamento. Alguns veem a produção orgânica de peixes como uma forma de manter a qualidade do pescado sem alterar o equilíbrio ambiental.

Há também quem critique o valor social da piscicultura, que teoricamente ajudaria aos mais pobres, mas para grupos como o Greenpeace, na prática, a piscicultura serve a grandes grupos multinacionais, e não beneficia diretamente as populações ribeirinhas locais.

A criação intensiva de crustáceos como o camarão também é questionada pelo Greenpeace: os criadores utilizam grandes quantidades de proteínas de baixo custo, incluindo peixes também criados através da piscicultura, como ração para produzir produtos de alto valor, caso do camarão. De acordo com eles, isso só faz os investidores ficarem ricos, enquanto o capital e outros recursos poderiam ser usados de outra maneira para produzir mais comida para mais gente.

Um outro problema da piscicultura é o potencial para aumentar a disseminação de espécies invasivas, visto que frequentemente as espécies criadas não são nativas das áreas de cultivo. Quando há fugas do criadouro para o meio ambiente é frequente que os animais introduzidos se revelem mais resistentes que as espécies nativas e praticamente tomam de assalto os ecossistemas. Outro problema potencial é a disseminação de parasitas e pragas introduzidas.

No Brasil, há casos de regiões invadidas por tucunarés (espécie nativa da Amazônia) acidentalmente introduzida em ecossistemas de outras regiões, provocando grave predação nas espécies locais.

Quais peixes posso criar
Algumas espécies para piscicultura
Jundia
Tilapia
Catfish
Carpa
Truta arco íris
Tucunaré
Salmão
Dourado
Camarão branco do Pacífico
Bijupirá
Linguado
Pregado
Bagre africano
Dourada
Robalo
Corvina
Pargo
Sargo
Ostra
Mexilhão
Vieira
Amêijoa
Amêijoa-fina ou ameijoa-boa
Enguia
Rodovalho
Tambaqui
Tilapia-do-nilo

criação de peixes tilapia

Criação de Peixes Tilápia em Tanques

Criação de Peixes Tilapia

Piscicultura é nada mais do que o ato de criação de peixes em cativeiro até atingirem o tamanho da colheita desejada. Enquanto objetivos do piscicultor são atingidos, a fazenda é bem-sucedida; e não há como discutir com sucesso da criação de peixes. Você pode discordar com os métodos do agricultor, mas isso não os torna errados.

Cada piscicultor é diferente, cada agricultor tem seus próprios objetivos, e cada fazenda de criação de peixes tilápia usa métodos diferentes.

Claro que, se um dos objetivos do piscicultor é a criação de peixes tilápia em um custo a par com o supermercado ou para revenda a um preço competitivo, o sucesso pode vir a ser mais evasivo. Isto porque, enquanto a agricultura de criação de peixes é bastante simples, criação de tilápias economicamente requer um estudo aprofundado de todos os recursos e métodos disponíveis. Em algumas situações, pode não ser possível para uma operação de criação de tilápias para cumprir as suas metas; enquanto em outros, fazendo alguns ajustes menores para um processo ou dois pode ser tudo o que é necessário. Para os propósitos deste guia, vamos supor que você quer ser o mais eficiente possível. Por uma questão de brevidade, vamos apenas mencionar os processos que atendem a estes critérios. Em quase todos os casos, existem outros métodos disponíveis, mas a nosso conhecimento, nenhum deles é mais rentável do que os métodos que cobrimos aqui.

Se você ainda não leu a primeira parte deste guia de criação de peixes tilápias , é altamente sugerir que você voltar e lê-lo antes de continuar. Nós não repetir conceitos que já foram introduzidas, de forma alguma desta informação pode parecer incompleto. Para a parte dois, nós estamos indo para construir uma fazenda de criação de peixes tilápia hipotética a partir do zero. Vamos apresentar todas as opções de custo eficaz, mas, em última análise, a fim de avançar, as decisões terão de ser feitas. Por favor, sinta-se livre para escolher as alternativas para atender suas próprias necessidades; os resultados finais serão os mesmos.

criação de peixes tilapia ciclo de aquaponia
O diagrama acima mostra o ciclo da água num sistema de recirculação da aquicultura. A água deixa a lagoa da criação de peixes tilápia e flui para a unidade de separação de sólidos. Depois de sólidos pesados são separados, a água continua através de uma fase de filtração grosseira. Uma vez que as grandes partículas de flutuação neutra são capturadas, a água continua para a parte mais baixa do sistema, conhecido como o tanque de depósito. Até este ponto, todos do fluxo de água foi conseguida usando a gravidade ou pressão hidrostática . A razão para isto é apenas óbvio para um fazendeiro de criação de peixes tilápia experiente, no entanto, não seria muito de um guia se não compartilhar alguns segredos.

Tilapia suprema é muito mais fácil para cultivo criação de peixes quando . Usando gravidade ou pressão hidrostática, o tilapia permanece intacta. Se você usar uma bomba de água antes de estas etapas de filtração, você vai reduzir drasticamente a sua eficácia.
Ponto Crítico: Qualquer diagrama de criação de tilápias que mostra a água a ser bombeada do lago tilápia, ou coloca uma bomba em qualquer lugar na frente do separador de sólidos ou unidade filtração grosseira, é mal concebida. E sim, existem materiais de curso da faculdade que fazem este erro.

Agora, sob pressão, a água é bombeada a partir do tanque de depósito através de um filtro de partículas finas para remover pequenos sólidos para baixo ao tamanho micron de dois dígitos. Depois de as partículas finas são removidas, a água passa através de uma fase de remoção de amoníaco em que o gás amoníaco ou é absorvido ou removido. Finalmente, a água passa através de algumas fases de polimento e esterilização opcionais. Estes passos são normalmente utilizados em uma base como necessária, no entanto, algumas medidas, tais como a esterilização ultravioleta, pode ser permanentemente implementadas. A água é então devolvido para a lagoa, para iniciar sua jornada novamente.

Opcional: Também é possível remover o amoníaco gasoso a partir de água usando equipamento de aeração antes de entrar no depósito, ou de uma forma de recirculação e de volta para o reservatório. Este método injecta um elevado volume de ar na parte inferior de uma coluna de água, criando arejamento vigoroso que, essencialmente, sopra o amoníaco gasoso para fora do vaso de contenção, deixando a água para trás.

O ciclo da água para aquaponia

Criação de peixes tilapia fluxo de água da agricultura para a aquaponia.
Para converter o nosso diagrama de ciclo de água de recirculação em aquaponia, temos que omitir a etapa de remoção de amônia, e adicionar mídia bio antes do cárter. Então nós simplesmente bombear água do poço, através das camas crescentes, e deixe escorrer de volta para o cárter. Esta não é a única maneira de sondar um sistema de aquaponia, é como o fazemos. Este fluxo mantém os resíduos sólidos a um mínimo dentro dos nossos crescem camas, e reduz a nossa dependência das crescem camas como meios de bio. Este projeto também nos permite desligar o lado da aquicultura do lado de hidroponia, a qualquer momento, por qualquer motivo. Deve também notar-se que a colocação de jangadas de flutuação e camas crescente no fluxo de água não tem importância. O seu próprio sistema pode colocar as camas crescentes antes das jangadas flutuantes. No nosso caso, a inclinação da nossa propriedade tomou a decisão por nós.

Ponto Crítico: Lembre-se, você está executando um sistema de aquaponia, não uma estação de tratamento de esgoto. Peixe criação de peixes ainda é criação de peixes. Um saco de estrume, não vem em linha reta da extremidade traseira vacas. Tem sido compostagem e misturados com outros materiais para ser transformado em adubo. Permitindo que fezes de animais entrem em contacto com as plantas é como acabamos com E. coli em fazendas baseados no solo. Procurá-lo para si mesmo. Sempre use algum tipo de separador de sólidos ou outro método de filtração para evitar cocô peixe cru de entrar em sua planta crescer camas.

Peixe vs Hortaliças

Quando descoberto pela primeira vez aquaponia, criação de peixes tilapia e legumes você provavelmente caiu em uma das duas escolas. Você quer pensou em todos os legumes que você podera vender para crescer usando resíduos de peixe livre como um fertilizante; ou você pensou sobre todos os peixes que você vender em sua cidade para elevar, enquanto o uso de plantas para ajudar a manter a água limpa. Basicamente, você se preocupava mais com os legumes, ou mais sobre o peixe. Muito poucos produtores aquaponic estão igualmente preocupados com ambos, e menos ainda se esforçam para maximizar a sua produção de peixe e hotalicas simultaneamente.

Este desequilíbrio é mais evidente em aquaponia salas de aula, onde a produção de peixe é mantido ao mínimo necessário para atender as necessidades das plantas; ou sistemas aquaponic desenhos que igualam o número de peixes que podem ser levantadas, a metragem quadrada da horticultura camas. Toda a ideia de equilíbrio na aquaponia é malarkey. Eu suspeito que foi feito pelos pioneiros da aquaponia, que permitem o fluxo de esgoto peixe cru em suas crescer camas, matando suas plantas, em seguida, tentar novamente com menos peixes, lentamente adicionando mais e mais até que eles começaram a matar plantas, novamente, acabou encontrando ” o equilíbrio ” . Infelizmente, conceitos nebulosos como este continuar a borrar o que seria considerado bom senso. Claro, eu não estava lá quando as primeiras pessoas começaram a usar palavras como harmonia e equilíbrio para descrever aquaponia, por isso estou apenas adivinhando.

A verdade seja dita, eu comecei para fora, aumentando legumes em um sistema de hidroponia, e criação de peixes em um sistema de aquacultura. Eles eram duas coisas separadas completamente. Ambos projetados e operados para a saída máxima em seu espaço disponível. Então, quando eu criei o meu primeiro sistema de aquaponia, tudo o que eu tinha que fazer era ligar o cárter da minha lagoa para o reservatório para minhas plantas e pronto, eu tinha um sistema de aquaponia. Porque eu nunca estava sobrecarregado com a idéia de que eu tinha para alcançar algum equilíbrio, mudei-me para a frente com sucesso alegremente ignorante. Eu cresci como muitas plantas e criado como muitos peixes como eu queria.

continua…